futuro

Letras

OBJETIVO DO CURSO

O profissional da área de educação tem sobre si a exigência da produção, construção e socialização de conhecimentos, habilidades e competências que permitam sua inserção no cenário complexo do mundo contemporâneo com a função de participar, como docente, pesquisador e gestor do processo de formação de crianças, jovens e adultos na vivência de tais relações, com influência direta sobre a formação da massa crítica, que em última análise é responsável pelas transformações em tela, dar a proposta de formação de pedagogos sensíveis a criar novas alternativas às exigências de formação e de organização da escola básica, produzindo e construindo novos conhecimentos.

O objeto de estudo e objetivação de sua prática é o processo educativo, qual seja a educação em seu acontecer cotidiano nos diversos espaços da prática social em que se processa, traduzido mais especificamente na ação docente a qual confere sentido e organicidade às diferentes ênfases do trabalho pedagógico e constitui a base comum de formação dos profissionais de educação de maneira geral.

O processo de trabalho docente, como é hoje compreendido, requer um profissional que alie habilidades do fazer pedagógico com outras referentes ao pensar permanente de sua própria prática, conforme as exigências de perfil para o cidadão-trabalhador na sociedade contemporânea: aquele que acrescente aos conhecimentos básicos para o desenvolvimento de função específica, conhecimentos e habilidades de gestão de seu próprio trabalho.

A formação do trabalhador em educação não se esgotará, portanto, na Graduação. É responsabilidade da Instituição de Ensino Superior desenvolver programas de pós-graduação e educação continuada para assegurar as atualizações e aperfeiçoamentos que se façam necessários.

Mesmo na graduação, a grade curricular não deve “engessar” a formação, ao contrário, ela deve proporcionar o dinamismo necessário à contínua renovação do conteúdo e das suas respectivas abordagens, ao mesmo tempo permitir que o aluno seja parte dinâmica desse processo. Ele atuará construindo, através de projetos, de atividades extra e pára-curriculares, de disciplinas optativas e uma pratica efetiva o seu perfil de formação.

OBJETIVOS DO CURSO  DE LICENCIATURA EM LETRAS

O objetivo do Curso de Letras - Licenciatura Plena em Português e Espanhol da FAAM é formar profissionais para atuar como professores de português e de espanhol no Ensino Fundamental e no Médio, em escolas públicas e privadas, em cursos de língua espanhola, e, também, como revisores de texto em língua materna e espanhola. Os programas possibilitam o desenvolvimento de atividades de ensino e de pesquisa e extensão, nos campos da linguagem e das literaturas de língua portuguesa e de língua espanhola. Esse profissional poderá desenvolver pesquisas e continuar seus estudos na pós-graduação: especialização, mestrado e doutorado.

Construir conhecimentos científicos, despertando o senso crítico dos graduandos, numa perspectiva profissional, de forma que sejam intérpretes e produtores de textos de diferentes gêneros.

- Integrar a comunidade/escola no processo didático-pedagógico-cultural.

- Valorizar a produção do conhecimento construído através das pesquisas educacionais, fomentando o desenvolvimento das habilidades linguística, cultural e estética.

- Desenvolver competências para a pesquisa e a extensão, levando em consideração a pluralidade das linguagens.

- Estimular a produção científica dos docentes e discentes.

- Capacitar os graduandos para desempenhar o papel de multiplicador, pesquisador e leitor crítico de diferentes teorias, bem como da aplicação destas aos problemas de ensino-aprendizagem da língua materna e/ou estrangeira.

A construção de um conhecimento efetivo se opõe à ideia de fragilidade ao mesmo tempo em que entra em conflito com a conotação de rigidez. Para responder às necessidades de formação do profissional Licenciado em Letras da contemporaneidade, adota-se uma metodologia de ensino que está alicerçada por um bom arcabouço teórico e uma dinâmica que permite menos o acúmulo de conhecimentos previamente definidos e rigidamente oferecidos e muito mais construção contínua de novos conhecimentos, saberes e ideias. Concebendo a formação como decorrente de um movimento dialógico, considera-se de suma relevância o confronto entre o conteúdo formal e as experiências construídas em outros espaços de aprendizagem, emergindo daí o papel e valor da pesquisa e extensão.

Para além das questões anteriores, ainda vale considerar que, para a atuação numa realidade que se caracteriza pela imprevisibilidade, torna-se indispensável um arcabouço metodológico que prime pela criatividade e autonomia dos sujeitos, inclusive no que se refere ao seu processo de formação, e, portanto, a construção de seus próprios conhecimentos.

Neste sentido, para a metodologia do ensino, o curso de Licenciatura em Letras da Faculdade da Amazônia prevê ações docentes que, além das funções didáticas e procedimentos lógicos de assimilação de conteúdos técnicos, contam com a exposição do professor, o trabalho relativamente independente do aluno, o trabalho de elaboração conjunta e os trabalhos em grupo tendo como propósito a produção/construção e socialização de conhecimentos.

A concepção do Curso de Licenciatura em Letras da Faculdade da Amazônia, adota uma metodologia de ensino que visa articular teoria, investigação e prática, de forma a priorizar a construção de um conhecimento efetivo, caracterizado pela criatividade, pela polivalência, pelo pensamento global e pela flexibilidade, características estas, intrínsecas à concepção do Curso.

 PERFIL DO EGRESSO

A explicitação do perfil do egresso de Letras da FAAM deve contemplar os três grandes pilares de sustentação das competências do graduando: as competências comunicativa, analítico-reflexiva e pedagógica. O campo de atuação do profissional de Letras ultrapassa o domínio filosófico e científico dos estudos linguísticos e literários para inserir-se no contexto mais amplo das relações sócio-político-culturais, que permeiam o ato da docência e a ação do pesquisador e do estudioso das Ciências da Linguagem. Essas ações demandam do egresso consciência das consequências de sua atuação no campo de trabalho e, correspondentemente, uma atitude de responsabilidade política e social.

  • ·Dimensão humana

-Capacidade para compreender e interagir na sociedade em que vai atuar.

-Visão crítica que lhe permita diferentes leituras da realidade em que atua, situando-se como elemento transformador.

-Profissionalismo, encarando o magistério como profissão de dimensão social transformadora.

-Competência para uso de tecnologia da informação aplicável ao ensino.

  • ·Dimensão técnico-científica

- Formação de profissionais com ação intelectual competente, capazes de lidar, de forma crítica, com as diferentes linguagens nos contextos oral e escrito, e conscientes de sua inserção na sociedade e das relações com o outro.

- Competência para formar leitores críticos, intérpretes e produtores de textos de diferentes gêneros e registros linguísticos, desenvolvendo potencialidades linguísticas, culturais e estéticas.

- Valorização da formação continuada.

- Capacidade de reflexão crítica sobre temas e questões relativas aos conhecimentos linguísticos e literários que fundamentam sua formação profissional.

  • ·Dimensão intelectual

- Competência para refletir teoricamente sobre a linguagem, para fazer uso de novas tecnologias e compreender sua formação profissional como processo contínuo, autônomo e permanente. A pesquisa e a extensão articulam-se ao ensino nesse processo. Competência para atuar como professor, pesquisador e consultor, com as diferentes manifestações linguísticas. Domínio do uso da língua portuguesa e espanhola, em termos de sua estrutura, funcionamento e manifestações culturais.

-Domínio ativo e crítico de um repertório representativo de literatura em língua portuguesa e em língua espanhola com base nos postulados dos estudos literários. Transitar pelas fronteiras entre a História e outras áreas do conhecimento; Domínio dos conteúdos básicos que são objeto de ensino - aprendizagem no ensino fundamental e médio;

-Domínio dos métodos e técnicas pedagógicas que permitam a transmissão do conhecimento para os diferentes níveis de ensino.

7.4 -  Número de vagas

O curso de letras da Faculdade da Amazônia tem autorização de 200 vagas anuais, sendo 100 vagas no turno vespertino e 100 vagas no noturno.

7.5 -  Conteúdos curriculares  (imprescindível)

A organização curricular do curso de Licenciatura em Letras da Faculdade da Amazônia, é resultante, fundamentalmente, da reflexão sobre sua missão, concepção e seus objetivos, complementada pelo que dispõe o Parecer CNE nº1.363/2001 e Resolução CNE nº 13/2002, e das diretrizes curriculares Nacionais para o curso de Letras, fixando os mínimos de conteúdo e duração do curso de graduação.

O currículo contempla atividades complementares, como instrumento da interdisciplinaridade e como ambiente propício ao desenvolvimento de novos campos ou temas emergentes, da área de Letras. Essas atividades concedem flexibilidade curricular ao curso, proporcionando a oferta de conteúdos variáveis, contemporâneos aos avanços e às mudanças da sociedade, da ciência e da tecnologia.

Entre as disciplinas instrumentais e de fundamentos teórico, incluem-se, as de Português Instrumental, Filosofia, Metodologia Científica e Libras consideradas fundamentais para os profissionais do terceiro milênio.

Na formação profissional específica, incluem-se disciplinas voltadas para as Línguas tais como: Português I, II,III,IV; Literatura Brasileira, portuguesa e Teoria Literária; Espanhol e literatura espanhola, dentre outras.

Na parte relativa à aplicação prática dos conhecimentos adquiridos, o aluno deverá, ao lado do estágio supervisionado, elaborar um Trabalho de Conclusão de Curso, como componente dos programas de iniciação científica.

A estrutura curricular, que se faz interdisciplinar, tem como base de sustentação pedagógica e acadêmica a cada semestre:

1.            Abrir perspectivas para a construção do conhecimento a partir de questões humanas ou problemas reais, com senso crítico e complexidade, priorizando a região amazônica.

2.            promover o entrelaçamento dos conteúdos das disciplinas em torno de um tema ou problema comum.

3.            desenvolver a capacidade de organizar ideias e métodos de estudo bem como a capacidade de trabalho em grupo, liderança, organização e autonomia.

4.            integrar as diferentes áreas de conhecimento num real trabalho de coordenação e trocas, aberto ao diálogo interdisciplinar a partir de um planejamento integrado.

7.6 - Metodologia

No contexto da FAAM e, mais especificamente, do curso de História, tanto a metodologia de ensino como a avaliação objetivam conjugar a teoria e a prática, de forma permanente, além de utilizar dinâmicas que fujam da aula expositiva tradicional.

Considera-se importante a implementação de aulas expositivas interativas, além de outras técnicas de ensino, como dramatizações, estudos de caso, seminários, debates, entre outras.

Assim, entende-se como relevante não só a participação individual, mas também o trabalho em grupo.

É importante que os futuros profissionais da História tenham a oportunidade de desenvolver, em seu curso, a capacidade de trabalhar de forma coletiva, o que significa saber dividir e cumprir tarefas, ouvir o outro, argumentar, expor opiniões etc.

Para a concretização dessa nossa proposta, é fundamental o fato de se contar com turmas de no máximo 50 alunos, número que tem sido considerado satisfatório para a efetivação de uma dinâmica participativa em sala de aula, embora nossa demanda tenha ficado abaixo disso.

Além disso, os alunos e professores poderão contar com recursos audiovisuais. A utilização de vídeos, para promover a discussão, será particularmente incentivada pelos professores, quer como atividade a ser desenvolvida nas disciplinas, quer como atividades complementares, quando o aluno poderá, no acervo disponível na biblioteca da FAAM, aprofundar-se em determinados temas da contabilidade, tendo em vista seu interesse específico.

Ademais, a existência de um laboratório de informática, com acesso à Internet  onde permite que os professores incentivem a realização de pesquisas através da Internet, familiarizando os alunos com as matérias existentes no mundo virtual, assim como programas específicos para a área em questão.

Na discussão das metodologias de ensino, a ser realizada periodicamente, será analisada a utilização dessas novas tecnologias pelos professores, de maneira a tornar a aula mais criativa e de maneira a familiarizar o aluno com os recursos tecnológicos.

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LETRAS

1º PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
1. Filosofia da Educação 40 2
2. Língua Latina 40 2
3. Teoria Literária 80 4
4. Leitura e Produção de Texto 80 4
5. Lingüística I (Origem e Aquisição da Linguagem) 80 4
6. Espanhol I 80 4
Total do Período 400 20

2° PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
7. Psicologia da Educação 40 2
8. Português I 40 2
9. Lingüística II (Fonética e Fonologia) 80 4
10. Literatura Brasileira I 80 4
11. Literatura Portuguesa I 80 4
12. Espanhol II 80 4
Total do Período 400 20

3° PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
13. Português II 40 2
14. Lingüística III (Morfossintaxe) 80 4
15. Literatura Brasileira II 80 4
16. Literatura Portuguesa II 80 4
17. Espanhol III 80 4
18. Elaboração de Projeto de Pesquisa 40 2
Total do Período 400 20

4° PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
19. Português III 40 2
20. Letramento 80 4
21. Literatura Brasileira III 80 4
22. Literatura Portuguesa III 80 4
23. Espanhol IV 80 4
24. Legislação e Normatização da Educação Básica 40 2
Total do Período 400 20

5° PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
25. Português IV 80 4
26. Metodologia do Ensino da Linguagem 80 4
27. Literatura Espanhola I 80 4
28. Didática 80 4
29. Práticas Pedagógicas I (Língua Portuguesa)

80

4
Total do Período 400 20
Estágio Supervisionado de Português I 100

6° PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
30. Educação e Tecnologias Contemporâneas 80 4
32. Metodologia do Ensino de Língua Espanhola 80 4

33. Literatura Espanhola II

     

80 4
34. Introdução à Semiótica e à Linguística Textual 80 4
35. Práticas Pedagógicas II (Língua Espanhola) 80 4
Total do Período 400 20
Estágio Supervisionado de Português II 100

7° PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
36. LIBRAS 80 4
37. Educação Aberta e a Distância 80 4
38. Práticas Pedagógicas III (Literatura) 80 4
39. Metodologia do Ensino de Literatura 80 4
40. Literatura Hispano-Americana I 80 4
Total do Período 400 20
Estágio Supervisionado de Espanhol 100
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) I (Elaboração do Projeto e Orientações Preliminares) 100

8° PERÍODO

DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CARGA HORÁRIA SEMANAL
42. Educação Inclusiva 80 4
46. Práticas Pedagógicas IV (Sistemas de Avaliação) 80 4
47. Literatura Hispano-Americana II 80 4
Total do Período 240

12

43. Estágio Supervisionado de Literatura 100
45. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) II (Conclusão, Apresentação e Defesa) 100
  QUADRO RESUMO DO CURSO  
  Currículo Pleno 3040 h/a  
  Estágio 400h  
  TCC 200h  
  Atividades Complementares 200h  
  Carga horária total do curso 3840h  
         

SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Há em cada período, obrigatoriamente, duas verificações da aprendizagem e uma prova final.

O professor, a seu critério, ou a critério do Colegiado de Curso, pode promover trabalhos, exercícios e outras atividades em classe e extra-classe, que podem ser computadas nas notas ou nos conceitos das verificações parciais, nos limites definidos pelo mesmo Colegiado.

Os alunos que tenham extraordinário aproveitamento nos estudos, demonstrado através dos instrumentos de avaliação específicos, aplicados por Banca examinadora especial, poderão cursar as disciplinas liberadas dos pré-requisitos indicados pela Banca, após o referendo Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão, cumprindo um tempo de integralização menor, na forma da legislação em vigor.

A avaliação do rendimento será expressa em grau numérico de zero a 10  (dez) pontos, permitindo-se o fracionamento em décimos.

Atribui-se nota zero ao aluno que deixar de submeter-se à verificação prevista, na data fixada, bem como ao que nela se utilizar meio fraudulento.

Em cada disciplina, a média dos trabalhos escolares realizados durante o semestre forma a média de aproveitamento semestral.

O aluno obterá aprovação nas disciplinas mediante a obtenção de:

I  mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência às aulas previstas;

II média igual ou superior a 7 (sete) nas avaliações parciais, computando-se a mesma como grau final; e

III média igual ou superior a 6 (seis), correspondente à média aritmética entre a média das avaliações parciais e a nota do exame final.

O aluno que obtiver média inferior a 7 (sete) e igual ou maior que 4 (quatro) nas avaliações parciais deverá prestar  exame final.

Considerar-se-á reprovado o aluno que:

I - Não obtiver frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas da disciplina; e

II - Não obtiver, na disciplina, média final de verificação da aprendizagem igual ou superior a 6 (seis).

Coerência do sistema de avaliação do processo ensino-aprendizagem com a concepção do curso

A Faculdade da Amazônia entende que os objetivos de um sistema de avaliação devem passar pela necessidade de informar e orientar o processo ensino-aprendizagem. Evidentemente, há uma função administrativa formal representada pela nota, porém, a ênfase para onde a própria concepção de curso aponta, se constitui no aspecto educacional propriamente dito, já que se pauta no desenvolvimento de competências e habilidades do futuro professor Licenciado em Letras.

Para estar em consonância com tal concepção, necessário se fazer vislumbrar a avaliação, planejamento e execução como atividades inseparáveis de um único processo, no qual estão definidos objetivos, conteúdos, estratégias de ensino, critérios e formas de avaliar. Neste sentido, o docente deve ter a possibilidade e competência para escolher os instrumentos avaliativos que serão utilizados de acordo com os objetivos que deseja atingir, e estes se inserem no bojo do sistema de avaliação previsto para a Faculdade da Amazônia e descrito no item anterior. Ainda, torna-se sumariamente relevante oferecer ao aluno oportunidades diversas de mostrar seu desempenho, para que se evite fazer do processo ensino-aprendizagem um mecanismo de mera aplicação de instrumentos de avaliação.

Portanto, nas suas mais variadas formas, a avaliação acompanha o planejamento educacional curricular e de ensino, e aponta para a multiplicidade de variáveis a serem consideradas dentro dos propósitos curriculares relacionados aos conteúdos, a atitudes e conhecimentos necessários para a formação do administrador generalista/polivalente, planejador, empreendedor, crítico e de formação global e humanística bem sedimentada.

Procedimentos de avaliação do processo ensino-aprendizagem

Considerando duas grandes vertentes avaliativas: a avaliação formativa que visa informar ao professor e ao aluno o rendimento da aprendizagem no decorrer das atividades escolares e a localização das lacunas na organização do ensino que deverão ser retrabalhadas para o sucesso da aprendizagem; e a avaliação somativa que pretende ponderar o progresso realizado pelo aluno ao final de cada semestre, com a intenção de constatar se a aprendizagem planejada ocorreu, com o grau de qualidade prevista no plano de ensino docente (PED).

Os procedimentos avaliativos da Faculdade da Amazônia incluem atividades em que o conhecimento acumulado é posto à disposição dos alunos, não para que estes o memorizem, mas para que demonstrem capacidade de interagir. Com certeza, fazem parte deste rol pequenas investigações, observação e análise da realidade, interpretação de dados disponíveis, produção de textos, resolução de problemas propostos pelos próprios estudantes etc. Não se descartam, também, as tarefas avaliativas comumente chamadas de provas. Questões dissertativas devem ser propostas de maneira a exigir do aluno habilidades de intervenção no conhecimento. Até questões objetivas podem ser utilizadas, desde que envolvam processos mentais, e, principalmente a resolução de situação complexa (base para a efetivação do processo ensino-aprendizagem).

ANEXO I

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PG DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM  LETRAS

  1. Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Letras

Concebendo o Estágio como fundamental enquanto técnica de aprendizagem, que possibilita a integração da teoria à prática e fornece o embasamento necessário para o melhor desempenho profissional, o Curso de Licenciatura em Letras lança mão de um eficiente processo de recrutamento, seleção e treinamento que possibilita às empresas participantes, a programação, a ampliação e/ou renovação de seus quadros técnicos e administrativos contribuindo para reduzir o investimento a que estão sujeitas quando contratam profissionais recém-formados, sem prática, pois abrevia o período de adaptação profissional e antecipa a utilização e o aperfeiçoamento da mão-de-obra desejada.

O Estágio, programado e orientado, transforma-se em veículo de utilização de novas tecnologias e metodologias operacionais, acelerando a preparação efetiva e prática dos Talentos Humanos necessários ao desenvolvimento econômico e social da nação, além de contribuir para o aprimoramento dos currículos e programas de estudo, resultando em eficiência e eficácia da formação profissional, adaptado às exigências da organização moderna.

Enquanto objetivos, o Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Letras busca: oportunizar ao estudante atitudes para desenvolver suas habilidades, analisar situações e propor mudanças no ambiente educacional; atender no processo ensino-aprendizagem, a completude de atividades que, através da conscientização das deficiências individuais e iniciar a busca do aprimoramento pessoal e profissional; minimizar o impacto da passagem da vida acadêmica para a ida profissional, abrindo ao estágio oportunidades de conhecer mais a filosofia, diretrizes, organização e funcionamento das instituições; promover a integração entre Instituição de Ensino Superior – IES e Organizações; facilitar o processo de atualização dos conteúdos disciplinares, permitindo adequar aquelas de caráter profissionalizante às constantes inovações tecnológicas, políticas, sociais e econômicas a que estão sujeitas; incentivar o desenvolvimento das potencialidades individuais, propiciando o surgimento de novas gerações de profissionais empreendedores, capazes de adotar modernas técnicas de gestão, métodos e processos inovadores, novas tecnologias e metodologias operacionais.

1.1 Existência de mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento de estágio

No Curso de Licenciatura em Letras da Faculdade da Amazônia, que conta com 400h de Atividades Curriculares destinadas ao Estágio supervisionado, a ser realizado nos 5º, 6º, 7º e 8º períodos, e faz parte integrante da matrícula do aluno, as atividades de estágio são obrigatórias e devem proporcionar aos discentes a participação em situações reais de vida e trabalho, nas profissões da área dos cursos que integram, além de práticas simuladas, buscando o desenvolvimento de habilidades e competências necessárias aos profissionais atuais.

As atividades do Estágio Supervisionado são desenvolvidas contendo o seguinte conteúdo mínimo obrigatório:

  1. estudos e pesquisas das diversas áreas das respectivas profissões;
  2. atividades práticas supervisionadas;
  3. atividades simuladas;
  4. estudos e pesquisas dirigidos para tema escolhido pelo estagiário, sob supervisão docente, para elaboração de Projeto de conclusão de curso;
  5. seminários, painéis ou eventos similares, para debate a respeito de temas atuais.

O processo de avaliação do estagiário é global e terminal durante o período letivo. A avaliação do estágio supervisionado se dá mediante o lançamento de notas pelo Professor Orientador, tendo o aluno que atingir no mínimo média sete (7,0) e frequência igual ou superior a setenta e cinco por cento (75%) das atividades programadas, para sua aprovação.

Objetivando garantir o cumprimento do Programa de Estágio, o orientador auxilia o estudante na solução de possíveis problemas, técnicos ou atitudinais.

O estágio poderá ter as modalidades de: a) proposição da solução de um problema organizacional, b) projeto de pesquisa, c) projeto de viabilidade econômica ou d) Projeto Interdisciplinar Integrado. A busca da empresa deve ser responsabilidade do aluno e a área de estágio, de sua livre escolha, mas respeitando o perfil do Curso.

O aluno deverá elaborar Projeto de Estágio Supervisionado e poderá fazer opção pela utilização do mesmo para elaboração de Monografia, Trabalho ou Projeto de Graduação, respeitando as seguintes etapas:

  1. Elaboração do Plano de Trabalho;
  2. Pesquisa sobre a Ambientação no Campo de Estágio;
  3. Definição da Situação Problema;
  4. Pesquisa bibliográfica e de campo sobre o tema escolhido;
  5. Elaboração de Relatórios de avaliação do Estágio / Projeto.

As etapas têm duração definida conforme Estrutura do Projeto e datas para apresentação dos relatórios com determinadas etapas concluídas.

No Plano de Trabalho, os alunos devem informar qual a Instituição em que estão desenvolvendo o Estágio, quem será o orientador da Empresa, quem será o professor Orientador e se o estágio será vinculado à sua atividade efetiva ou a um Estágio regulamentado, para que a Coordenação de estágio possa confirmar os dados apresentados.

1.2 - Relatórios de atividades realizadas durante o estágio supervisionado

A sistematização do Estágio Supervisionado da Faculdade da Amazônia consiste na elaboração de um relatório científico, que vai progressivamente sendo definido no período do estágio. Nas fases I as atividades e as orientações, buscam primeiramente proporcionar aos acadêmicos os conhecimentos e o nivelamento necessários a uma adequada proposta de estágio. Nas fases II é onde acontece a prática efetiva das atividades de estágio. Cada nível contempla as atividades:

Estágio Supervisionado –

Fase I

ü  Escolha do setor de atuação

ü  Preenchimento do Plano de Trabalho

ü  Fundamentação Teórica

ü  Análise da Ambientação do campo de Estágio

ü  Definição da situação problema

ü  Análise da Ambientação da Empresa

ü  Definição da situação problema

ü  Fundamentação Teórica

ü  Objetivos

ü  Justificativa

Fase II

Nesta fase é concluído o Projeto de Estágio, que terá a seguinte estrutura:

1 INTRODUÇÃO

1.1 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E SEU AMBIENTE

1.2 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA

1.3 OBJETIVOS

      1.3.1 OBJETIVO GERAL

      1.3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1.4 JUSTIFICATIVA

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO-EMPÍRICA

3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

4. ANÁLISE DE RESULTADOS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

ANEXOS

1.3 - Relação aluno/professor na orientação de estágio

A Faculdade da Amazônia através da Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras designa os professores-orientadores do Estágio Supervisionado para atuarem juntamente com os alunos, no processo de elaboração, execução e acompanhamento do Projeto, principalmente no que diz respeito à fundamentação teórica do mesmo, proposto em sua estrutura.

A apresentação dos professores-orientadores é feita no início do 5º semestre, considerando a sua formação acadêmica e profissional.

A relação aluno/professor na orientação de estágio não será superior a 1 professor-orientador para cada 10 alunos.

1.4 - Participação em atividades reais de Licenciatura em Letras

As atividades do estágio supervisionado podem conter o seguinte conteúdo:

  1. Estudos e pesquisas das diversas áreas das respectivas profissões;
  2. Atividades práticas supervisionadas;
  3. Estudos e Pesquisas dirigidos para o tema escolhido pelo estagiário, sob a supervisão docente, para elaboração de Projeto de Graduação - PG;

Além deste conteúdo, os acadêmicos podem desenvolver atividades simuladas, promovidas pelas disciplinas da matriz curricular do curso, orientadas pelo Professor da disciplina, como por exemplo: Estudos de Caso, Pesquisas de Campo e outras atividades correlatas e poderão participar de seminários, painéis ou eventos similares, com debates a respeito de temas atuais, que não são utilizados como horas de estágio supervisionado, mas que contribuem com os objetivos a que se propõe o mesmo.

As atividades devem estar diretamente vinculadas ao estudo de situações reais em Licenciatura em Letras.

1.5. Participação em atividades reais conveniadas

Todos os alunos da Faculdade da Amazônia podem ser estagiários, a partir do primeiro período do Curso, desde que estejam regularmente matriculados e atendam ao perfil solicitado pela Empresa requisitante.

Da mesma forma a Empresa só poderá efetivar Termo de Compromisso, mediante convênio firmado com a Instituição de Ensino ou por intermédio de Empresa Integradora.

O estágio curricular não obrigatório obedecerá aos procedimentos dispostos na Legislação vigente no que diz respeito à sua caracterização e contratação cabendo sua orientação e acompanhamento ao:

  1. Agente de Integração, quando por ele for intermediado e contratado, conforme art. 7º do Decreto nº 87.497/82;
  2. Instituição de Ensino, quando vinculado a convênio direto Empresa e Instituição.

As atividades de estágio supervisionado podem ser desenvolvidas em organizações públicas ou privadas, ou nos próprios laboratórios da Faculdade da  Amazônia.

A Coordenação de Estágios é o órgão responsável pelo planejamento, execução e avaliação do estágio, realizado em organizações externas, emitindo parecer para o credenciamento desses serviços ou organizações.

A Faculdade da Amazônia tem buscado promover convênios com estas Instituições para poder ofertar aos seus acadêmicos a oportunidade de realizar atividades práticas supervisionadas, aproveitando o aprofundamento dos estudos para o projeto de Estágio Supervisionado.

Os convênios firmados pela Faculdade da Amazônia com as demais organizações são mantidos pela Coordenação de Estágio, bem como os Termos de Compromisso de Estágio, firmados entre as Instituições e o aluno.

Através da Empresa Junior, também são firmados outros convênios para trabalhos de consultoria promovidos pelos acadêmicos que fazem parte da Empresa, sob a orientação de professores.

Os acadêmicos que desenvolvem atividades profissionais efetivas nas organizações podem aproveitar seus conhecimentos e habilidades adquiridos ao longo do tempo para efeito de Estágio Supervisionado, desde que estas atividades estejam de acordo com a Matriz curricular do Curso de Licenciatura em Letras.