futuro

 

Dados da Instituição

DIRIGENTE DA MANTENEDORA

José de Nazaré Barreto Coutinho

DADOS DOS DIRIGENTES DA MANTIDA

Diretor Geral/Administrativo/Financeiro: José de Nazaré Barreto Coutinho
Diretora Acadêmica: Roberta da Trindade Pantoja Hage
Diretor Acadêmico Adjunto: Antônio Carlos Braga Silva
Coordenadora de Administração: Luciana Tupinambá Dessy
Coordenadora do Curso de Ciência Contábeis: Raimunda Macilena da Silva de Oliveira
Coordenador Adjunto do Curso de Pedagogia: Antônio Carlos Braga Silva
Coordenador da Pós-Graduação: Fábio Luiz dos Santos
Coordenadora do Núcleo de Apoio Psicopedagógico Discente: Paula Cristina Albuquerque de Souza
Coordenadora do Núcleo de Estágio e Emprego: Paula Cristina Albuquerque de Souza
Coordenador de Marketing: Alexandre Lemos Medeiros
Coordenador de Extensão: Fabrício do Nascimento Moreira
Coordenador de Tecnologia e Informação: José Ricardo Meireles Braga
Secretária Acadêmica: Karla Ely Barros de Souza
Bibliotecária: Rosimeire Pereira dos Santos

DADOS BÁSICOS DE IDENTIFICAÇÃO
Nome: FACULDADE DA AMAZÔNIA
Endereço: Br 316, Km 07, N. 590 – Levilândia – Ananindeua – PA
CEP: 67.043-170
Fone: (91) 3255-2237 
Fax: (91) 3255-2236
Site: www.faam.com.br
E-mail institucional: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


MISSÃO - DIRETRIZES PEDAGÓGICAS: Objetivos Gerais da Faculdade da Amazônia
 A Faculdade da Amazônia tem por objetivos:

  1. A formação de profissionais e especialistas de nível superior dos cursos por ela ministrados;
  2. O incentivo e apoio à pesquisa e à produção acadêmica;
  3. A realização e o incentivo a atividades criadoras, estimulando vocações e organizando programas, particularmente vinculados às necessidades regionais e nacionais;
  4. A extensão do ensino à comunidade mediante cursos e serviços especiais, prestando colaboração constante na solução de seus problemas;
  5. O oferecimento de condições para a realização de mestrado e doutorado no seu corpo docente;
  6. O estímulo à criação cultural e ao desenvolvimento do espírito científico;
  7. O oferecimento de condições para especialização e aperfeiçoamento do seu corpo docente e técnico-administrativo;
  8. A cooperação com a comunidade local, regional e nacional, como organismo de consulta, assessoria e prestação de serviços a instituições de direito público ou privado, em matérias vinculadas aos seus fins e às suas atividades;
  9. A divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação.

METAS:
A Faculdade da Amazônia foi implantada com objetivos e projetos definidos que buscam por meio da cooperação de todos os seus integrantes – direção, professores, alunos e colaboradores, atingir sua principal meta: o ensino de qualidade em prol de uma sociedade melhor, postulado por uma formação humanística e técnica para os discentes e docentes.
 
VALORES:
A Faculdade da Amazônia considera que os valores que perpassam a idealização de uma instituição educacional são essencialmente os pilares de sustentação de todo o processo formativo que a integra. Considerando-os como ingredientes básicos de cultura e/ou sociedade específica, a Faculdade da Amazônia toma como alicerces à ética, a consciência e o compromisso com a sociedade Paraense. 

VISÃO:
A perspectiva de desenvolvimento da educação superior no Estado do Pará promoveu a sensibilização de seus dirigentes que, ao conceber a Faculdade da Amazônia, no seu Projeto Pedagógico Institucional, vocacionaram-na para o caminho da reflexão da realidade regional de acordo com os princípios do desenvolvimento sustentável. Identificada como instituição de ensino superior particular, a Faculdade da Amazônia visa contribuir para o desenvolvimento sociocultural e econômico da cidade do Estado do Pará e da região amazônica.

CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO DA FACULDADE DA AMAZÔNIA
A construção do conhecimento consiste em considerar que os alunos apreendam o conhecimento em virtude de um processo que é pessoal, mas também, coletivo.

Aprender equivale elaborar uma representação do conteúdo do objeto de estudo em questão, no caso da Faculdade da Amazônia a formação profissional. Nesse contexto, professor e aluno são agentes interativos, com eles mesmos, com os outros e com o próprio conhecimento. O professor incentiva os alunos a encontrarem suas próprias respostas diante da problematização do conhecimento. A heterogeneidade, característica presente em qualquer grupo humano, passa a ser vista como fator imprescindível para as interações na sala de aula.

Construir conhecimentos implica numa ação partilhada, já que é através dos outros que as relações entre sujeito e objeto de conhecimento são estabelecidas. Refletir sobre como as relações entre os sujeitos e o conhecimento são fatores fundamentais no ensino das instituições.

Ao aprender, o que muda não é apenas a quantidade de informação que o sujeito possui sobre um determinado tema, mas também, sua competência em relação ao conhecimento, ampliando a qualidade deste alteram as possibilidades pessoais de continuar aprendendo.

A função do processo educativo de formação profissional na Faculdade da Amazônia não pode ser apenas o de apropriação de conhecimentos, transformados em conteúdos de ensino, mas o de desenvolver habilidades verdadeiramente humanas, levando o sujeito a compreender, refletir e intervir no mundo e com o mundo no qual está inserido como ser social, baseando suas ações profissionais.

O processo de construção do conhecimento é complexo e precisa ser vivenciado como um trabalho coletivo, em que o professor consciente, oportunizará o contato cultural para os alunos, visto que é a cultura quem faz do sujeito o que ele é, pois, ao apropriar-se dela, revitaliza-a criticamente e contribui para sua renovação, construindo assim, a sua identidade.

O conhecimento das diversas disciplinas deve servir de canal para o processo de construção do conhecimento dos alunos (movimento interdisciplinar), sendo que este não é uniforme – há necessidade de diversas atividades para a aprendizagem dos alunos.

A sala de aula deve ser um espaço interativo com possibilidades de apreensão, que reflita a produção dos alunos e esses possam recorrer, o professor como mediador do conhecimento e este precisa fazer de sua prática um processo investigativo e reflexivo (registro, observação, planejamento, intervenção e avaliação).